13 de Maio de 2011 - Dia Nacional de Denúncia do Racismo e 123 anos de "Abolição" Formal da Escravidão Negra no Brasil!

 

População negra entre o genocídio e o racismo


– A  maioria da população brasileira é negra. A informação é do Censo Demográfico (2010), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dos quase 191 milhões de brasileiros, a pesquisa mostrou que  97 milhões de pessoas se declararam pretas  ou pardas, 91 milhões se consideram brancas, e o restante se enquadra em outros grupos.
Já as informações do estudo Dinâmica Demográfica da População Negra Brasileira, divulgado na última quinta-feira (12) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostrou que a população negra é mais jovem, tem mais filhos e é mais pobre. Esta mesma população também está mais exposta à mortalidade por causas externas – como homicídio - do que a população branca.
Em meio às pesquisas e declarações racistas das últimas semanas, nesta sexta-feira (13) é celebrado o Dia Nacional de Denúncia do Racismo. A data será lembrada pelo movimento negro e por diversas organizações populares, sindicatos e partidos, através de atos culturais e políticos.
Para debater a questão racial e a luta do movimento negro no Brasil, a Radiogência NP entrevistou o integrante do Conselho Geral da Uneafro (União de Núcleos de Educação Popular para Negras/os e Classe Trabalhadora), Douglas Belchior.
Radioagência NP: Douglas, podemos afirmar que a questão racial se apresenta como algo estruturante da sociedade brasileira?
Douglas Belchior: O povo brasileiro, de maneira geral, quanto mais longe do estereótipo ideal eleito: branco, ariano, louro, de olhos claros; mais vai sofrer com a violência racial, com as desigualdades, com o preconceito, com a discriminação. Isso é estruturante das relações pessoais e é estruturante também das relações políticas e sociais. E aí que se geram as diferenças sociais que nós enxergamos.
RNP: Qual é a situação da população negra no Brasil atualmente?
DB: Quando olhamos para a pirâmide social, percebemos que não houve grandes mudanças nos últimos 123 anos – para considerar o fim da escravidão no Brasil. Hoje o povo negro continua ocupando os lugares precarizados na sociedade. Ocupa os piores empregos, têm os menores salários, são os mais agredidos pela ação policial. É esse público que é mais vitimado pelas mazelas sociais, entre os que não têm habitação, entre os que estão nas penitenciárias, entre aqueles que têm problema de atendimento na saúde pública, de acesso à escola de qualidade.
RNP: Os últimos acontecimentos envolvendo o deputado Jair Bolsonaro, por exemplo, explicitam a contradição entre o discurso de igualdade e os pensamentos e práticas racistas?
DB: O que nós percebemos é que nas últimas semanas, no último período, o debate sobre o racismo ocupou grande espaço nos meios de comunicação por conta das declarações, especialmente do [deputado] Jair Bolsonaro. Na verdade foi explicitado um pensamento politicamente tido como incorreto, mas que está no inconsciente da coletividade. Onde o racismo se reproduz de maneira mais radical é na ação policial, nos moradores de rua, quando a sociedade grita contra cotas em universidade pública. Não há muita contestação porque está naturalizado. Como diz o professor Kabengele [Munanga – Antropólogo e professor da Universidade de São Paulo]: todo racismo é um crime perfeito, porque ele se dá no cotidiano da vida social brasileira.
RNP: Como é feito o diálogo entre as pautas do movimento negro com as lutas de outros movimentos sociais?
DB: O diálogo tem sido cada vez maior. Os movimentos sociais e populares brasileiros têm percebido que é preciso construir unidade na ação. Agora, não tenha dúvida que existe ainda setores dos movimentos sociais que colocam a discussão racial como algo não emergencial ou não estruturante das relações sociais. E aí o movimento negro precisa fazer cada vez mais esforço pra fazer os companheiros e as companheiras perceberem que a questão racial é importante e prioritária para mobilização da classe trabalhadora. Porque, de maneira geral, a maioria da classe trabalhadora tem uma raiz e uma identidade racial.

RNP: Sobre a luta deste dia 13 de maio, quais serão as pautas prioritárias?
DB: Existem duas questões que caminham paralelamente, dentro da ideia que o Estado brasileiro implementa um projeto de genocídio da população negra. Existem essas duas ações paralelas: a negativa à cidadania, a negativa ao direito constitucional de acesso à educação, cultura, lazer, habitação, uma vida digna; e por outro, a ação armada do Estado, que vitimiza e que assassina o povo negro. Essas são as pautas principais que o nosso ato do 13 de maio deve levantar. Além do que, cobrar responsabilidade, botar freio na ação violenta do Estado e punir os responsáveis por tantos assassinatos que vêm ocorrendo no último período.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vivian Fernandes.
13/05/11


******

Image
Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo mostrou que grande parte dos brasileiros - 87% - admite que há discriminação racial no país, mas apenas 4% da população se considera racista.

Há racismo sem racistas?

A campanha Onde você guarda o seu racismo? tem o objetivo de provocar uma reflexão individual e, principalmente, conscientizar a população de que a luta contra o preconceito racial é responsabilidade de todas/os.
***
"O racismo só se manifesta diretamente? Não e não! Agressões físicas e verbais diretas manifestam racismo sim, mas não só elas. Falta de representação é racismo violento! Desamor e desafeto também! Negação da história de um povo também é! Olhares, emanações, expressões, diversas formas de tratamento podem ser racismo que, se somado ao longo da vida, mata trajetórias e gera incríveis feridas em toda uma população, tolhe seu caminho. Todo um leque de ação no mundo vê e trata a/o sujeita/o negra/o como alvo de violações, ainda que de forma supostamente velada e inconsciente."  


Não guarde, jogue fora!





 






___________________________________________________________________________


** Jorge Ben Jor revela que ainda é vítima de racismo. “Muito!”, diz ele, pioneiro no Brasil ao tratar da raça negra e exaltar sua cultura e suas músicas** => http://odia.terra.com.br/portal/diversaoetv/html/2011/5/jorge_ben_jor_revela_como_sera_o_show_de_seu_cultuado_disco_a_tabua_de_esmeralda_166204.html


Não adianta ser celebridade, nem ser doutor, nem ser rico, nem nada... enquanto as mentalidades gerais do mundo insistirem - velada ou declaradamente, intencionalmente ou não, consciente ou inconscientemente - em ver as pessoas de fenótipo negro e a matriz cultural africana como "abjeto" e "inferior", o racismo fará vitimas e matará corpos, almas, sentidos e sentimentos... 

todo mundo perde, muito... =/ 


"nós queremos aprender com você...
crioulo rei, crioulo..."

 


***
Escritora e executiva negra fala sobre racismo no mercado de trabalho | via @radioagenciaebc: http://t.co/IHkeGAz

***

"Somos segregadas/os coletivamente, o que pode ser mais lógico do que reagirmos em grupo?"

E quanto à acusação de que negras/os estão ficando racistas?

Essa queixa é um dos passatempos favoritos de liberais frustrado/as que sentem que estão perdendo terreno na sua atuação como guias. Esses autonomeados guias dos interesses de negras/os se vangloriam dos anos de experiência na luta pela defesa dos "direitos negras/os". Eles vêm fazendo coisas para negras/os, em favor de negras/os e por causa de negras/os, mas quando estas/es anunciam que chegou a hora de fazerem as coisas por si mesmas/os, todos/as os/as liberais gritam como se fosse o fim do mundo! Ei, vocês não podem fazer isso! Você está sendo racista. Está caindo na armadilha deles. Aparentemente está tudo bem com liberais, desde que continuemos na armadilha deles/as.

As pessoas bem informadas definem o racismo como a discriminação praticada por um grupo contra outro, com o objetivo de dominar ou manter a dominação. Em outraspalavras, não se pode ser racista a menos que se tenha o poder de dominar. Negras/os estão apenas reagindo a uma situação na qual verificam que são objetos do racismo de brancos/as. Estamos nessa situação por causa de nossa pele.

Somos segregadas/os coletivamente - o que pode ser mais lógico do que reagirmos em grupo?

Quando trabalhadores/as se reúnem sob os auspícios de um sindicato para lutar por melhores condições de vida, ninguém no mundo ocidental se surpreende. É o que todo mundo faz. Ninguém os/as acusa de terem tendências separatistas. Professores/as travam suas próprias lutas, lixeiros/as fazem o mesmo, e ninguém age como guia de outra/o. Mas, de algummodo, quando negras/os querem agir por si, o sistema liberal parece encontrar nisso uma anomalia. Na verdade, é uma contra-anomalia. A anomalia se encontra antes, quando os/as liberais são presunçosos/as o suficiente para achar que cabe a eles/as lutar pelas/os negras/os.



Este texto de escuríssima capacidade foi escrito pelo líder negro sul-africano Steve Biko. [BIKO, Bantu Steve. (Frank Talk). “Alma Negra em Pele Branca?”, In.: Eu escrevo o que eu quero (I write what I like), 1970.]

((()))º((()))º((()))º((()))º((()))º((()))º((()))º((()))º


Em ato público junto com a EDUCAFRO no aniversário do STF. Distribuindo balões "Denúncia do Racismo à Brasileira" na Rodô do Plano Piloto. Em reunião na reitoria UnB.

Na sala do EnegreSer na UnB.

Nós em atividade de formação em Escola Pública do DF.

- Recepcionando os calouros no vestibular pós-ADPF. tsc .

Todo mundo becad@!!!! Protocolando a ação de Amicus Curiae no Supremo Tribunal Federal.

Maio de 2010 - Distribuindo a 3ª edição do NOSSO JORNAL na rodoviária do Plano Piloto.

Encontro norte-nordeste da Rede Mocambos em Itacaré - BA; em 11/2010.

Sessão Solene na Câmara dos Deputados

Sessão Solene na Câmara dos Deputados
NOSSO COLETIVO NEGRO em sessão solene para comemorar a premiação nacional do documentário produzido pela Tv Câmara,"Raça Humana", no qual fomos colaboradoras/es participantes. Na Comissão de Direitos Humanos e Minorias na Câmara dos Deputados - Congresso Nacional/Brasil. Dezembro de 2010.

- Seminário do INESC em abril de 2011.

No Afro Latinidades (Festival da Mulher Afro Latino-Americana e Caribenha), novembro de 2011.

Em atividade de comemoração do Mês da Consciência Negra, novembro de 2011, no CEF 427 - Samambaia Norte/ DF.